A parábola da Tapioca

Como brasileiro, descendente de índios, tenho um grande apreço por todos alimentos que derivam da tupiniquim mandioca, também conhecida com Macaxeira ou ainda como Aipim. Outro dia eu estava pensando sobre a Igreja que frequento, enquanto preparava uma Tapioca. A igreja local com suas demandas, seu prédio, seus projetos, suas atividades, porém, acima de tudo, com seus membros que costumamos chamar de irmãos. Tirei a embalagem de tapioca da geladeira e joguei aqueles flocos gelados e desconexos na frigideira. O calor altera, individualmente, cada floco. A frieza que mantinha sua individualidade é destruída pelo fogo. Parece mágica! O calor os conecta. O calor faz daqueles flocos desconexos um tecido branco, bonito e gostoso.

Tapioca na embalagem é um amontoado de flocos que estão juntos, mas não unidos. É no calor da chapa que a química acontece. A tapioca é uma parábola da Igreja. Na sociedade somos vizinhos, condôminos, pedestres, motoristas. Nos aturamos no trânsito e nos esbarramos em corredores de Shoppings. Nos reconhecemos como cidadãos de uma cidade. Fazemos parte de uma embalagem chamada Estado. Porém, na igreja, o calor do Espírito Santo deve estar ali pra nos colar, pra nos unir. Ali, nos tornamos um em Cristo que nos uniu. Igreja é, portanto, lugar de se derramar. Lugar de tirar a casca de individualismo, competição e performance que assola nossos dias. Igreja é lugar de ser forjado no outro pelo calor da alegria e também pela provação que advêm por sermos filhos de Deus.

No final do preparo retirei aquele belo tecido da chapa quente e coloquei no prato. Voltei os olhos para a frigideira e vi que vários flocos não se conectaram ao tecido. Isso sempre acontece. Sim, é possível estar ali e não permitir-se ser unidade. Para escapar deste fim é preciso entender que Igreja não é lugar de se guardar, de esconder angústias e fingir sorrisos. É lugar de se entregar e se deixar ser consumido pelo serviço aos outros. Igreja não é lugar de experimentar o conforto do telespectador, é lugar de viver o protagonismo de atuar como cidadão do Reino de Deus. Igreja é lugar de ser consumido pelo propósito da unidade em Cristo Jesus.

‘Eu dei a eles a glória que tu me deste, para que sejam um, como nós somos um. Eu estou neles e tu estás em mim. Que eles experimentem unidade perfeita, para que todo o mundo saiba que tu me enviaste e que os amas tanto quanto me amas. Minha oração é que todos eles sejam um, como nós somos um, como tu estás em mim, Pai, e eu estou em ti. Que eles estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. ‘
João 17:21-23

1 comentário em “A parábola da Tapioca”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.